Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Apostolado da Oração

DEIXAR O AMOR REVELAR-SE

DSCN1745.jpg

Começamos a recta final da Quaresma para nos abrirmos ao dom do Amor. Toda a Quaresma foi preparação para que o nosso coração se abra ao amor de Jesus, que nos vai oferecer três facetas da sua vida, do seu amor, do seu fogo divino que quer incendiar os nossos corações. Importa deixar-nos tocar, incendiar pelo amor de Jesus. Olhando o mundo à nossa volta, sentimos todos que morremos gelados, pois não temos o fogo do amor em nós, nas famílias, nas estruturas da sociedade. Que loucura de mundo: guerras, ódios, crimes, corrupção, violência, destruição da vida e das pessoas, até de maravilhosas e antiquíssimas obras de arte com milhares de anos. Acção criminosa e devastadora. Só o amor nos pode ajudar, curar, salvar. A civilização do amor, como nos ensinava o Papa São João Paulo II, nasce do Coração de Cristo e passa pelos nossos, incendiados pelo fogo d’Ele.


Saibamos renovar a fé e o encanto no amor de Jesus Eucaristia, alimentar-nos d’Ele, viver a Ceia como algo central, vital, como tesouro e pérola. Amor eucarístico de Jesus que quer vir a nós, transformar, cristificar os nossos corações. Faz-Se alimento para ficar em nós e nós n’Ele. Que loucura divina de um Deus que Se dá. Precisamos de participar nessa “escola de amor”, onde Jesus Se dá, Se entrega, Se faz alimento para permanecer em nós e ser fonte de unidade, de comunhão, de dádiva, de paz, de concórdia, de destruição de egoísmos, de vendilhões que povoam o nosso interior, de ídolos que nos acorrentam e destroem a vida, o dom, a entrega generosa aos outros. O mundo precisa da vida eucarística, do Pão do Céu, de Jesus feito alimento, do amor eucarístico que vai até ao extremo de Si mesmo na entrega total, radical. E, dentro de nós, vai-nos incendiando a vida e o coração do fogo que Ele é e que veio do Céu. Não há outra solução para transformar o mundo à nossa volta, pois só Ele nos ensina a amar, a ser paz, amor, justiça, verdade, dom aos outros.


A loucura do amor apaixonado que O leva a ser Cordeiro que Se deixa matar e imolar é outra escola de amor. O mundo à nossa volta precisa de olhar para o Crucificado para perceber o amor do Bom Pastor que foi até à morte e morte de Cruz, que soube pedir ao Pai perdão para os que O matavam, que soube aceitar ser vítima e derramar o seu sangue para remir, para dar paz, para ser salvação e graça. No meio da violência, do crime, há Cristo Crucificado que continua a sua paixão salvadora e que nos quer identificados com Ele, para amar como Ele e sermos semente de um mundo novo. Só no seu Coração trespassado, só nas sua Chagas, cicatrizes do amor com que nos amou, só no seu sangue encontramos a fonte da vida e da paz, da justiça e do bem que pode transformar o mundo à nossa volta. Contemplemos com amor o Crucificado e fiquemos a aprender com Ele a ser grão de trigo que morre para gerar vida nos outros, no seio da família, da sociedade. O Crucificado é fonte e escola de amor misericordioso que, pelo fogo do perdão, quer restabelecer paz e comunhão. Como o mundo precisa desta graça imensa e maravilhosa.


O mundo precisa de descobrir o Ressuscitado no auge do amor que é vida nova, que é fonte de paz e de alegria, que é graça de missão evangelizadora, que é o fogo divino a incendiar o mundo a partir da Páscoa, da vida do Ressuscitado, Vivo e Glorioso, sempre no meio de nós, sempre connosco, sempre vida das nossas vidas. Presente na Palavra, na Igreja, na Eucaristia, no Irmão, presente para nos aquecer o coração com o seu fogo divino, para nos cristificar e divinizar. Como o mundo à nossa volta precisa desta descoberta para que acabem ódios, corrupções, violências, crimes, promiscuidades, profanações, destruição da vida e do amor, da beleza e da paz. A força do Ressuscitado é capaz de realizar esse prodígio divino. Ele quer incendiar com a sua vida divina os nossos seres para podermos testemunhá-Lo. Que desafio maravilhoso. Como o mundo à nossa volta precisa desta graça!!! Vamos ressuscitar para ser fogo que incendeia o amor?

 

Dário Pedroso, s.j.