Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Apostolado da Oração

Palavras incómodas

cq5dam.web.800.800.jpeg

Tento resistir à tentação de falar a quente dos temas, pois uma boa discussão deve ser caracterizada por um saudável distanciamento das coisas, para poder reflectir e perceber o quadro geral das questões sem cair em argumentos construídos na base da emoção do momento.

E mais do que a emoção do momento, surpreendem-me os “discursos da moda”, no espaço público, quando as coisas de que se fala deviam ajudar a pensar e a rever atitudes da vida e não servir para atirar palavras ao ar, extremando posições sem grande fundamento.

Refiro-me, de modo particular, a três pronunciamentos do Papa Francisco que levantaram algum debate ultimamente. O primeiro, a propósito da liberdade de expressão, quando afirmou que, se alguém insulta a mãe de outra pessoa, arrisca-se a “levar um murro”; poucos dias depois, a questão do “procriar como coelhos”, referindo-se à paternidade responsável nas situações em que se deve estar a atento à saúde da mãe ou às condições da família, afirmando que há critérios que orientam o desejo de acolher os filhos que o Senhor quiser dar ao casal: e, agora, a questão do bom pai que corrige com firmeza os filhos, dentro da caridade.

O Papa Francisco é, absolutamente, um tópico essencial nas notícias, ele é sempre notícia e habitualmente uma óptima notícia. Não falta, por isso, quem queira usar o mínimo deslize (que não o é, nestes casos), para criar polémica. Tirando frases do seu contexto, exagerando a perspectiva, motivando a crítica.

O Jornalismo tem uma digníssima função que é informar e fazer reflectir acerca dos acontecimentos da actualidade. E ao mesmo nível da dignidade desta função deve estar a responsabilidade. Informar bem, apresentar as coisas de modo imparcial, para que quem lê as notícias tenha todos os dados para fazer a sua própria avaliação.

Por isso, senhores Jornalistas, não cedam à tentação de vender “frases sonantes”, apresentem o contexto, remetam para os vídeos e textos originais onde estão inseridas estas declarações, sirvam o bem comum com informação bem fundamentada e não cedam, por favor, à moda de criticar por criticar. Só porque vende. Nenhum dinheiro compra a responsabilidade de bem informar!

Porque estas três questões são muito delicadas: liberdade de expressão; paternidade responsável; educação dos filhos. O Papa não faz mais do que apelar ao senso comum e à responsabilidade perante tudo isto. Concordemos ou não com o modo como são ditas, é a sua forma simples de falar, que a todos toca.

Ao criticar as palavras do Papa sem mais, e sem contexto, porque são palavras que incomodam os discursos da moda, não se está a dar oportunidade às pessoas de avaliarem duas perspectivas e ver qual fará mais sentido. E a perspectiva do Papa Francisco faz todo o sentido. Pensemos bem nisso.

 

António Valério, sj